Zona Azul no formato de papel vai continuar valendo até dia 4 de dezembro

A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) prorrogou na sexta-feira (18) a validade da Zona Azul no formato de papel. O período de transição para o modo digital foi estendido até o dia 4 de dezembro.

A partir do dia 5 de dezembro, a Zona Azul de papel vai deixar de valer e os motoristas só poderão estacionar nas vagas de estacionamento rotativo com o Cartão Azul Digital, fornecido pelos aplicativos de celular. A medida para evitar a venda ilegal das folhas de papel já está valendo desde julho para São Paulo.

Entre os dias 21 de novembro e 30 de dezembro de 2016, as folhas em papel de Zona Azul oficiais e não utilizadas pelos motoristas serão reembolsadas pelo valor de R$ 4,50.

Quem precisar fazer a troca deverá comparecer à Gerência Comercial/CET, na rua Senador Feijó, no centro da capital, das 8h às 17h,  de segunda a sexta feira. Segundo a Companhia, no ato da devolução, os talões e as folhas passarão por perícia para conferência de sua autenticidade.

Como funcionam os apps

Ao invés de marcar com uma caneta a data, horário e placa do carro na folhinha, o motorista precisa, agora, cadastrar os dados veículo em um dos aplicativos de aparelhos móveis credenciados pela CET.

Após estacionar, o condutor aciona a placa do veículo e escolhe quanto tempo vai utilizar aquela vaga. Quando o tempo escolhido estiver para acabar, o próprio aplicativo vai enviar uma notificação ao usuário. Ele terá ainda a opção de renovar o crédito pelo celular se quiser deixar o automóvel estacionado por mais tempo

Não é necessário deixar nenhum tipo de comprovante no painel do veículo. Os agentes de trânsito vão consultar um banco de dados para conferir se o condutor pagou pela vaga. O usuário que considerar que foi autuado indevidamente poderá apresentar recurso de multa à Junta Administrativa de Recursos de Infração (Jari).

O pagamento é feito por cartão de crédito ou débito. O preço continua o mesmo: R$ 5 por período. Já o pacote de créditos com 10 cartões digitais sai por R$ 45. O objetivo é acabar com a comercialização ilegal de Zona Azul em São Paulo.

Fonte: IG

Você sabia que o Seguro Automóvel e Residência são bons amigos para sua viagem de férias?

O fim do ano está chegando e a ansiedade cresce para aqueles que gostam de por o pé na estrada com os amigos ou família. Mas fique atento e veja as dicas para fazer uma viagem de verão tranquila sem descuidar da segurança do veículo ou residência.

Cuidados com a bagagem e planejamento do trajeto já é meio caminho andado. Lembre-se, a manutenção do carro é fundamental e a maioria dos contratos de Seguro Automóvel já oferece a revisão do veículo, além de outros benefícios como assistência 24h que pode auxiliar o motorista caso haja algum imprevisto.  Socorro mecânico, assistência para pane seca, transporte para continuar a viagem e guincho são alguns serviços que estão disponíveis.

Assim como o Seguro de Automóvel, o Seguro Residência também oferece assistência 24h com diversos serviços como: chaveiro, eletricista, reparos hidráulicos, substituição de telhas, entre outros. No entanto, é preciso ficar atento quanto à cobertura na hora de contratar o seguro, pois ela varia de acordo com a seguradora e o plano.

Viaje tranquilo!  A Vila Velha está a sua disposição 24 horas, sete dias por semana, com uma equipe especializada em lhe atender em caso de imprevistos.

 

SAIBA COMO PROTEGER SEU SMARTPHONE

MAIS NOTÍCIAS

Dezembro/ 2017

Você já parou pra pensar que grande parte das coisas importantes para você está no seu celular? Imagens, números de contatos do seu relacionamento social/profissional, anotações, aplicativos de bancos, redes sociais até trajetos salvos que denunciam os seus percursos diários. Com tanta informação exposta neste pequeno aparelho é necessário dar a atenção necessária com o objetivo de proteger  o seu equipamento.

De acordo com dados levantados pela Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), os roubos e furtos de dispositivos móveis segurados em todo o País tiveram um aumento de 64,6% entre 2015 e 2016.

Dados da Secretaria da Segurança mostram que seis em cada dez ocorrências terminam com o celular sendo levado da vítima.

Diante desse cenário, a Vila Velha Seguros oferece condições especiais para proteger seus equipamentos portáteis (smartphone, smartwatch, notebook, tablet, câmera e filmadora).

O Seguro para Equipamentos Portáteis oferece Cobertura básica com garantias em casos de acidente, incêndio, queda de raio, dano na tentativa de roubo e impacto de veículos. Conta também com coberturas adicionais para danos elétricos, cobertura internacional, perda e pagamento de aluguel de aparelhos, lentes e acessórios, subtração do aparelho segurado além de danos por água ou líquidos.

Como benefício extra e para maior segurança dos seus dados, você ainda ganha o armazenamento gratuito de até 5 GB de seus documentos, vídeos ou imagens salvos em desktop ou notebook, a recuperação de dados e a reciclagem de equipamentos eletrônicos, sem custo e sem agredir o meio ambiente.

Não tem motivos para questionar a importância de proteger seu equipamento, por isso entre em contato conosco através do telefone (11) 3226-9615 ou mande um e-mail para re@vilavelha.com.br e contrate já.

Fonte: Fenseg | Secretaria de Segurança

Quanto custa e como manter os tapetes do seu carro

Para manter o carro limpo, vale investir em um bom jogo de tapetes. Eles protegem o carpete que forra a cabine contra o desgaste e a sujeira e dão segurança para o motorista ao acionar os pedais. Esses acessórios são vendidos em concessionárias e lojas de autopeças por preços que partem de R$ 50.

O primeiro passo é escolher o tipo de material dos tapetes. Os mais tradicionais são os de borracha. “Eles devem conter dispositivos que os prendam ao assoalho, evitando que deslizem para baixo dos pedais, provocando acidentes”, recomenda o gerente nacional de vendas da fabricante de tapetes Borcol, Francisco Santos. “Os nossos têm travas pontiagudas e, em alguns casos há ilhoses para fixação em pinos na cabine.”

Outras opções são os tapetes feitos de carpete ou de PVC. “São materiais mais duráveis e não têm o inconveniente do mau cheiro que desprende da borracha com o tempo”, compara Orsini Rui, da Samara Car, que também produz e vende tapetes. “Os feitos de PVC são isolantes acústicos e alguns recebem a aplicação de produtos com propriedade antiácaro.”

Conservação. A durabilidade das peças varia com o tipo de utilização do veículo. O tapete do motorista sofre desgaste mais acentuado, pelo atrito frequente com os pés do condutor, mas não pode ser reposto separadamente – as lojas vendem apenas o jogo completo. “Eles são produzidos em prensas que fazem as quatro peças de uma só vez”, justifica Santos. “Quem quiser economizar pode adquirir um jogo de duas peças para a picape Saveiro e instalar em um Gol, por exemplo.”

Santos diz que um tapete com 98% de borracha dura de três a cinco anos, mas há peças com 30% desse material, que se degradam mais rápido em temperaturas extremas. “Os de PVC duram até sete anos, se bem cuidados”, fala Rui.

Os de borracha devem ser lavados com água e sabão neutro e secos ao sol. Produtos com silicone podem danificá-los. Nos de carpete, basta esfregar um pano umedecido com água. Para os tapetes de PVC, o melhor é lavar com jato de pressão de água ou a seco, em um lava-rápido.

Preços.Da Borcol, o jogo com quatro tapetes de borracha tem preço de R$ 59,90. Há peças avulsas para forrar o porta-malas, por R$ 99,90, e o túnel central traseiro, por R$ 16,90. Entre os tapetes feitos de carpete ou PVC, os preços da Samara Car partem de R$ 50 para os modelos chamados universais, com formato padronizado.

Se forem feitos sob medida com o nome do carro bordado, tiverem velcro, apliques coloridos nas laterais ou espessura de até 12 mm (o normal são 4 mm), os valores do jogo oscilarão de R$ 70 a R$ 400.

Fonte: Estadão

Multas darão suspensão da CNH de seis meses

Os motoristas brasileiros precisarão ficar mais atentos à quantidade de multas que tomam. Desde 1 de novembro passou a vigorar a Lei 13.281/16 que prevê o aumento do tempo de suspensão da carteira de motorista, a CNH, para quem ultrapassar os 20 pontos acumulados no prontuário ao longo de um ano.

Até então, o motorista ficava um mês sem poder dirigir, passados os 20 pontos. Agora, a suspensão passa para pelo menos seis meses, podendo chegar a um ano. Caso o condutor some novamente 20 pontos num período de doze meses após a primeira suspensão, os prazos variam entre oito meses e dois anos.

Quem for suspenso ainda terá que passar por 30 horas de aula num curso de reciclagem e ser aprovado em exame teórico para poder voltar a dirigir.

 

Fonte:  Estadão

Vila Velha marca presença no Enacon 2016

O circuito de palestras do Enacon 2016 (Encontro das Administradoras de Condomínios) promovido pelo Secovi-SP (Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais de São Paulo) aconteceu nos dias 5 e 6 de outubro e reuniu as principais lideranças e profissionais do mercado de administração imobiliária e de condomínios na sede do Secovi-SP, em São Paulo.

Mais uma vez como patrocinadora do evento, a Vila Velha Seguros apresentou ao público seus produtos Cobertura Ampla, Proteção Residencial Conteúdo Mais, desenvolvido para indenizar rupturas de encanamento e vazamento entre unidades vizinhas nos condomínios residenciais e divulgou sua área exclusiva de Benefícios para Recursos Humanos.

Advogados, economistas e executivos do segmento compareceram ao evento.  A programação teve como principais temas as tendências atuais da administração condominial, principalmente na área de tecnologia, panorama econômico brasileiro, e o que esperar da gestão condominial nos próximos 5 anos.  Entre os palestrantes estavam os filósofos Dulce Magalhães e Leandro Karnal, a consultora Vânia Ferrari, o desembargador Sylvio Capanema, a jornalista Denise Campos de Toledo, o sociólogo Marco Antonio Villla e o professor e administrador de Imóveis Pepe Gutierrez.

Se envolveu em um acidente de trânsito? Saiba o que fazer após uma ocorrência

De acordo com o Detran, primeiro de tudo o motorista deve manter a calma, verificar se há vítimas e sinalizar o local. Mas e depois? Como proceder?

De acordo com o Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, só no primeiro semestre de 2016 foram registrados mais de 94 mil acidentes de trânsito no Estado de São Paulo, entre colisões, choques e atropelamentos. Nesta hora, a primeira coisa que o motorista deve fazer é manter a calma, verificar se há vítimas e sinalizar o local. Mas e depois? O que fazer?

De acordo com o Departamento de Trânsito de São Paulo (Detran-SP), em caso de acidente com pessoas feridas, é preciso acionar os serviços de emergência: Polícia Militar (190), Polícia Rodoviária Federal (191), SAMU (192) e Bombeiros (193). O motorista não deve mudar o veículo de lugar e nem movimentar os feridos, já que isso pode gerar sequelas graves.

Já quando não há feridos, é mais simples. Os veículos podem ser retirados da via para não atrapalhar o trânsito, e o motorista deve anotar os dados do(s) outro(s) envolvido(s) caso seja preciso um Boletim de Ocorrência (B.O.). Também é importante tirar fotos do ocorrido e guardar a data, horário e local do acidente.

Boletim de Ocorrência

Quando não há feridos ou danos ao patrimônio público, um B.O. só é feito quando os envolvidos querem. O documento pode ser registrado pela internet, no site da Polícia Militar – no caso de ocorrência nas rodovias estaduais, e da Polícia Civil – nas demais vias.

Remoção de veículos

No caso de feridos, os veículos só podem ser removidos após a chegada da polícia ou realização de perícia. Por conta disso, após o acidente é preciso acionar o serviço de trânsito da cidade.

Multas

A postura do motorista após a ocorrência pode gerar outro tipo de dor de cabeça: uma multa de trânsito. Deixar de socorrer um ferido, por exemplo, pode causar detenção que varia de um a seis meses e/ou multa de R$ 957,70. Já quando não há vítimas, deixar de remover o(s) veículo(s) do local pode gerar uma cobrança de R$ 85,14.

Após o acidente

O condutor responsável pela ocorrência deve contatar a seguradora da qual é cliente para repassar os dados do outro envolvido para que sejam realizados os reparos necessários. Quando a pessoa não tem seguro, ela mesma deve arcar com os custos. Em caso de danos na numeração do motor ou do chassi, é necessário fazer a remarcação do veículo.

O condutor, passageiro ou pedestre que se envolver em um acidente de trânsito pode ainda solicitar o Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Seguro DPVAT), que oferece cobertura em caso de morte, invalidez permanente e reembolso de despesas.

Fonte: IG