Carteira Nacional de Habilitação muda visual para inibir falsificação

VOLTAR    |   DEZEMBRO    |   TODAS

A Carteira Nacional de Habilitação (CNH) emitida a partir do próximo dia 2 janeiro terá novas cores e itens de segurança. As mudanças são válidas para todo o país e foram determinadas em uma resolução divulgada pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran) em maio último.

Quem tem carteira dentro da validade não precisará trocá-la pela nova antecipadamente. Os procedimentos para obter ou renovar a habilitação também permanecem os mesmos.
Uma das principais alterações para as novas CNHs será a troca da tinta azul esverdeada da tarja que fica no topo do documento atual, acima da foto de identificação do cidadão, para a cor preta.

A impressão continua em alto relevo e a tarja passa a ter o mapa do estado responsável pela emissão da habilitação, do lado direito.

A nova CNH também terá dois números de identificação nacional – Registro Nacional e Número do Espelho da CNH – e um número de identificação estadual, que é o número do formulário Renach (Registro Nacional de Condutores Habilitados).

Tinta especial
No alto do lado esquerdo, sob o brasão da República, a imagem do mapa do Brasil passa a ser impressa com tinta especial de segurança, que também dificulta a falsificação.

Todo o fundo do documento vai ficar mais amarelado e alguns elementos gráficos, como números, poderão ser conferidos com o uso de luz ultravioleta.

O documento ganhará brasões da República impressos que só serão vistos com o uso de luz negra.

Na parte de baixo, haverá uma holografia com a sigla CNH impressa repetidas vezes. Além disso, aparecem novos fios de microletras que também servem para dificultar falsificações.

Os itens de controle de segurança incluem mais elementos em relevo e em microimpressão.

O documento ganhará um código numérico de validação composto pelos dados individuais de cada CNH. Esse código vai permitir aos agentes de trânsito validar a habilitação por meio de um aplicativo que deve ser disponibilizado pelo Denatran.

Fonte: g1

VOLTAR    |   DEZEMBRO    |   TODAS

11 apps para comprar a Zona Azul digital – obrigatória em SP

VOLTAR    |   DEZEMBRO    |   TODAS

Desde a última segunda-feira (5), os motoristas da cidade de São Paulo não podem mais usar Zona Azul de papel, somente de forma digital. Para isso, há duas opções: utilizar aplicativos de smartphones para comprar créditos ou procurar postos de venda digital credenciados pela prefeitura.

Os pontos de vendas oficiais são bancas de jornal, bares, mercados, lanchonetes, drogarias e mercados. As compras são realizadas por meio de terminais de pagamento semelhantes a máquinas de cartões de débito ou crédito.

Se você possuir um smartphone com sistema Android, iOS ou Windows Phone, a compra de créditos pode acontecer rapidamente via aplicativo. O valor máximo cobrado por uma hora de estacionamento é de 5 reais. Na compra de dez créditos, o preço é de 45 reais.

Confira as principais opções de apps para adquirir créditos de Zona Azul digital, recomendadas pela própria CET.

– SP Cartão Azul Digital (Android, iPhone)
– Vaga Inteligente (Android, iPhone)
– Digipare (Android, iPhone, Windows Phone)
– ParkMe (Android, iPhone)
– Ponto Certo (Android, iPhone)
– Estacionamento Digital (Android, iPhone)
– Zazul (Android, iPhone)
– Estaciona App (Android, iPhone)
– Panda SP (Android, iPhone)
– Zona Azul Fácil (Android, iPhone)
– 4All Zona Azul (Android, iPhone)

Após o cadastro, a compra dos créditos nos aplicativos deve ser feita com o uso de cartões ou boleto bancário. A aquisição de créditos pode ser feita na hora de parar o carro em uma das 39.179 vagas na capital paulista ou com antecedência.

Quem possui folhas de Zona Azul pode ser reembolsado, a 4,50 cada, em um posto da CET, que fica na rua Senador Feijó, 143, 1º andar, até 31 de janeiro de 2017.

Fonte: Exame

VOLTAR    |   DEZEMBRO    |   TODAS

Roubo a celular na Paulista dobra aos domingos

VOLTAR    |   DEZEMBRO    |   TODAS

O total de celulares roubados e furtados aos domingos no primeiro ano do programa Paulista Aberta praticamente dobrou. Desde que a via passou a ser fechada para carros e aberta para pedestres, em outubro de 2015, a cada domingo são registrados, em média, 17 boletins de ocorrência por furto ou roubo de celular. Antes do programa, entre outubro de 2014 e setembro de 2015, a média era de 9.

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) diz que intensificou o policiamento após a criação do programa, mas não informou o número de policiais a mais. Moradores e trabalhadores relatam sensação crescente de insegurança.

Dados da SSP obtidos pelo Estado, via Lei de Acesso à Informação, mostram que entre outubro de 2015 – início oficial do programa – e setembro deste ano foram registrados 2.879 boletins de ocorrência por furtos e roubos a celular. Um terço dos casos foi aos domingos, quando a via passou a ser ocupada por maior número de pessoas a pé. Já no período anterior, de outubro de 2014 a setembro de 2015, houve 1.817 registros.

Nos 52 domingos de Paulista aberta, ladrões levaram 884 telefones, avanço de 82% na comparação com 2015. Essa taxa é superior ao aumento total de furtos e roubos na capital (3,3%).

Os protestos pró-impeachment dos dias 15 de março e 12 de abril, registraram, juntos, 255 furtos e roubos de celulares. O domingo da Parada do Orgulho LGBT (7 de junho) foi o líder de boletins de ocorrência (378) por telefones roubados ou furtados em 2016. O número é o triplo dos casos registrados no evento em 2014, com 103 boletins.

Para a administradora de 13 prédios residenciais e comerciais na região, a advogada Raphaela Galletti, de 58 anos, a multidão distraída aos domingos na Paulista se tornou um “chamariz para os ladrões”.

Moradora de um edifício na esquina com a Brigadeiro Luís Antônio, Raphaela criou uma estratégia para não entrar nas estatísticas de criminalidade na Paulista. Se precisa sair de casa, não leva bolsa, celular ou carteira. Enfia cartões e dinheiro nos bolsos e atravessa atenta a avenida.

“A abertura aos domingos modificou todo o meio urbano. Tem aglomeração, gente passeando com vontade de lazer, sem estar prestando atenção”, diz Raphaela, que se queixa de falta de policiamento na via.

Entorno
O presidente do Conselho de Segurança (Conseg) da Bela Vista, Luciano Martins, afirma que os ladrões assaltam pedestres na Paulista e fogem para vias transversais de bairros, como a Bela Vista.

A proporção de aumento da criminalidade com foco no celular aos domingos supera o crescimento de segunda a sábado (50%). Mesmo assim, relatos de roubo e furto de celular por pessoas de bicicleta são comuns em dias de semana.

O auditor Felipe Moreira, de 24 anos, mora a uma quadra da avenida e, por ter o celular furtado em uma quinta-feira do mês passado, redobrou o cuidado. “Aos domingos, fico especialmente alerta”, afirma.

O empresário Henrique Coelho, de 25 anos, também evita o local no fim de semana após ter fugido de ao menos três tentativas de assalto durante a semana. “Não costumo ir aos domingos justamente pelo acúmulo de gente. O perigo aumenta”.

Fonte: Estadão 

VOLTAR    |   DEZEMBRO    |   TODAS

Coisas que você precisa saber ao contratar seguro de celular

VOLTAR    |   DEZEMBRO    |   TODAS

Não importa onde você esteja, é bem provável que leia esta matéria no smartphone, ou vá checá-lo nos próximos segundos, para olhar a hora ou o WhatsApp. O mercado de seguros para celulares surfa nessa onda e cresce 15% ao ano, mas ainda gera surpresas entre consumidores.

Na hora do aperto, muita gente descobre que algumas coberturas não incluem furtos simples ou queda na piscina, por exemplo, como aponta o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec).

– Prefira contratar o seguro se o aparelho for novo
Várias seguradoras não cobrem celulares que têm mais de um ano. O que pode acontecer é o seu seguro ser renovado, diante de um novo pagamento. Por isso, se optar por adquirir o seguro, faça enquanto o aparelho ainda é novo.

– Compare os preços entre seguradoras e apólices
O seguro de celular é precificado a partir de uma porcentagem sobre o valor do aparelho. Ou seja, quanto mais caro o celular, maior o preço da garantia. As coberturas incluídas na apólice e o endereço do consumidor também interferem na precificação.
O mesmo seguro pode ter uma grande diferença de preço, segundo o Idec. “Em geral, quanto mais caro o aparelho, mais o seguro compensa para o consumidor. Mas para valer a pena, depende muito da cobertura contratada”, orienta o advogado do Idec Christian Printes.

– Confira o valor da franquia
Normalmente os seguros para celular têm franquia, ou seja, o consumidor tem que pagar uma porcentagem do valor do aparelho ou do conserto se precisar acionar a apólice.
É essencial você conhecer essas regras, para evitar surpresas se precisar acionar o seguro e não prejudicar o orçamento.

– Saiba se o seguro cobre roubo e furto qualificado, danos acidentais ou os dois
A maioria dos seguros para celular cobre apenas roubo e furto qualificado. Isso significa que a apólice não cobre furtos simples, como o sumiço do celular de dentro da bolsa no ônibus ou de cima da mesa do restaurante, sem deixar algum dano aparente.
Esse é um dos pontos mais polêmicos do seguro de celular, que costuma pegar consumidores de surpresa. Por isso, é importante entender exatamente o que você está contratando.
Outras coberturas incluem danos acidentais ao aparelho, como a quebra da tela, desde que não haja responsabilidade do usuário no acidente. Mas é essencial observar os detalhes da apólice. Nem todas as coberturas incluem queda na piscina, por exemplo.

– Faça boletim de ocorrência, se o celular foi roubado ou furtado
Se acontecer um sinistro, como o mercado segurador chama a ocorrência, é importante o consumidor ter provas para mostrar à seguradora. Se for um roubo ou um furto, é preciso fazer um boletim de ocorrência para poder acionar a apólice contratada.

– Guarde a nota fiscal do aparelho
Guardar a nota fiscal original do celular também é essencial para poder acionar o seguro. É nela que estão registrados o modelo e o preço do smartphone, para a seguradora conferir a indenização que você receberá.

Fonte: Exame

VOLTAR    |   DEZEMBRO    |   TODAS

Seguro Viagem Internacional é um item indispensável para quem pensa em viajar ou fazer intercâmbio

VOLTAR    |   DEZEMBRO    |   TODAS

Numa viagem internacional, o seguro é um dos elementos fundamentais e, em alguns casos, obrigatórios para entrar em outro país. O seguro saúde é o mais popular e recomendado, já que ele cobre despesas médicas, como atendimento, internação em hospitais e até gastos com medicação. Contudo, o viajante pode contratar outros serviços para ter mais proteção pessoal e dos seus pertences durante o tempo que estiver no exterior. Pensando em atender às necessidades dos viajantes, a CI – Intercâmbio e Viagem lançou a unidade de negócios, CI Seguros.

Anualmente, mais de 50 mil pessoas contratam o seguro de viagem, conhecido como Intercare. “Os turistas e intercambistas reconhecem que um fato comum do dia a dia, como uma dor de dente ou um problema mais sério que necessite de assistência médica imediata, pode se transformar em um grande transtorno quando você está em outro país”, explica o diretor da CI Seguros, Renato Spadafora. Com a ampliação dos serviços oferecidos, a expectativa é que no primeiro ano, cerca da metade dos clientes que saem com o seguro de viagem da CI contrate também pelo menos mais algum outro tipo de seguro.

Um dos novos serviços mais interessantes para o viajante é o seguro de roubo e furto de equipamentos portáteis, como smartphone, notebook, tablet e câmeras fotográficas, segundo o diretor. “É uma cobertura de 12 meses, nacional e internacional. Então, a pessoa fica protegida desde o primeiro momento que contratou o serviço. Com o alto custo desses aparelhos eletrônicos, é muito interessante se resguardar contra possíveis eventualidades”, explica.

No caso do seguros para viagem, outra vantagem que a CI Seguros passa a oferecer são alguns upgrades para que o cliente fique tranquilo além da assistência médica. “Agora, é possível modular seu produto e contratar outros serviços, conforme seu interesse. Por exemplo, fazer um seguro contra multas caso o cliente precise ou queira desistir da sua viagem, como no caso de um visto negado ou mesmo pela simples desistência por parte do cliente, e também o segura para aumento da cobertura de bagagem”, completa Spadafora.

A CI Seguros tem um portfólio amplo. Entre as opções já citadas, estão também o seguro de proteção financeira, caso o cliente tenha um imprevisto e fique desempregado ou incapacitado de trabalhar, como no caso de profissionais liberais; e o plano anual corporativo. Este último é voltado para executivos que viajam com certa frequência, e neste caso podem contratar um único plano válido por todo ano, protegendo todas as viagens que fizer no decorrer do ano, o que se torna muito mais prático e econômico. “É importante ter em mente que se resguardar é uma maneira de fazer uma viagem mais tranquila e evitar a perda de tempo, dinheiro e frustrações com imprevistos. O seguro é como um investimento, principalmente para as pessoas que decidem dar um passo tão importante, quanto fazer um intercâmbio”, finaliza o diretor.

Fonte: REVISTA COBERTURA MERCADO DE SEGUROS

VOLTAR    |   DEZEMBRO    |   TODAS

Gestão Doria anuncia aumento da velocidade das marginais

VOLTAR    |   DEZEMBRO    |   TODAS

A equipe do prefeito eleito de São Paulo João Doria (PSDB) anunciou nesta terça-feira que aumentará as velocidades das Marginais Tietê e Pinheiros a partir do dia 25 de janeiro.

Conforme havia sido prometido durante a campanha, a velocidade máxima voltará a ser de 90 km/h na via expressa; 70 km/h na central e 60 km/h na local. A faixa da direita da pista local terá a velocidade mantida em 50 km/h, conforme Doria havia mencionado durante um encontro com cicloativistas em outubro.

O limite de velocidade para veículos pesados será de até 60 km/h na expressa e na central, apenas na local será até 50 km/h. Além da mudança no limite de velocidades, o programa, batizado de Marginal Segura, prevê a implantação de 17 lombofaixas, que são faixas de pedestres adaptadas em lombadas mais largas, nas alças de acesso e o uso de 14 radares-pistola para fiscalizar motociclistas.

O plano ainda abrange uma ação com o apoio da GCM e outras secretarias para retirar ambulantes e moradores de rua das Marginais. As ações de adequação começarão a ser feitas no dia 2 de janeiro, no dia seguinte à posse do prefeito João Doria.

Fonte: Veja

VOLTAR    |   DEZEMBRO    |   TODAS

Vila Velha oferece novas facilidades para condomínios com Cobertura Ampla

Realizar uma obra dentro de um apartamento não é tarefa simples. De imediato surgem as primeiras dificuldades e exigências com a burocracia que pode nos atrapalhar quando precisamos estipular prazos. Quando é preciso quebrar uma parede ou algum procedimento que gere alguma dúvida sobre o abalo da estrutura do prédio, neste momento um engenheiro deve fazer a análise para saber se há possibilidade de realizar tal obra, pois pelo Código Civil, instituído pela Lei nº 10.406 de 10 de janeiro de 2002, é dever do condomínio impedir a realização de obras que comprometam a segurança da edificação.

Os condomínios da Grande São Paulo que possuem o Seguro Condomínio na Modalidade Ampla pela Vila Velha, contratado a partir de outubro tem direito a consultoria de engenharia gratuita civil com o objetivo de auxiliar o síndico na análise, liberação e documentação das reformas executadas.

Um dos diferencias do serviço é subsidiar o síndico na liberação da reforma solicitada pelo condômino, durante a vigência do seguro. Ao final da reforma é emitido um relatório explicando de forma clara e objetiva os aspectos técnicos. Também há disponibilidade de 2ª via de todos os laudos online, garantindo assim um histórico de unidades reformadas do condomínio.